fbpx

Extinções em massa ocorrem em ciclos de 27 milhões de anos – Planeta

Extinções em massa ocorrem em ciclos de 27 milhões de anos   Planeta

Extinções em massa ocorrem em ciclos de 27 milhões de anos Planeta

Asteroide rumo à Terra: as extinções em massa foram deflagradas não só por incidentes desse tipo. Crédito: Родион Журавлёв/Pixabay

Extinções em massa de animais terrestres – incluindo anfíbios, répteis, mamíferos e pássaros – seguem um ciclo de cerca de 27 milhões de anos, coincidindo com extinções em massa da vida oceânica relatadas anteriormente. A conclusão está em uma nova análise publicada na revista “Historical Biology”.

O estudo também descobriu que essas extinções se alinham com os principais impactos de asteroides e devastadores derramamentos vulcânicos de lava chamados erupções de inundação de basalto. Isso fornece causas potenciais para o motivo das extinções.

“Parece que os impactos de corpos grandes e os pulsos de atividade interna da Terra que criam o vulcanismo de inundação de basalto podem estar marchando ao mesmo ritmo de 27 milhões de anos das extinções, talvez ritmado por nossa órbita na galáxia”, disse Michael Rampino, professor do Departamento de Biologia da Universidade de Nova York (EUA) e principal autor do estudo.

Coincidências

Sessenta e seis milhões de anos atrás, 70% de todas as espécies terrestres e marinhas, incluindo os dinossauros, foram repentinamente extintas, na sequência desastrosa da colisão de um grande asteroide com a Terra. Posteriormente, os paleontólogos descobriram que essas extinções em massa da vida marinha, nas quais até 90% das espécies desapareceram, não eram eventos aleatórios. Esses eventos pareciam ocorrer em um ciclo de 26 milhões de anos.

Em seu estudo, Rampino e os coautores Ken Caldeira, do Carnegie Institution for Science, e Yuhong Zhu, do Center for Data Science da Universidade de Nova York, examinaram o registro de extinções em massa de animais terrestres e concluíram que elas coincidiram com as extinções da vida marinha. Com novas análises estatísticas das extinções de espécies terrestres, eles demonstraram que esses eventos seguiram um ciclo semelhante de cerca de 27,5 milhões de anos.

O que poderia estar causando as extinções em massa periódicas em terra e nos mares? As extinções em massa não são os únicos eventos que ocorrem em ciclos. As idades das crateras de impacto – criadas por asteroides e cometas que caem na superfície da Terra – também seguem um ciclo alinhado com o ciclo de extinção.

Astrofísicos levantam a hipótese de que chuvas periódicas de cometas ocorrem no Sistema Solar a cada 26 a 30 milhões de anos. Elas produzem impactos cíclicos e resultam em extinções em massa periódicas, dizem eles. O Sol e os planetas circulam no plano intermediário lotado da Via Láctea a cada 30 milhões de anos. Durante esses tempos, podem ocorrer chuvas de cometas, causando grandes impactos na Terra. Os impactos podem criar condições que estressariam e potencialmente exterminariam a vida terrestre e marinha. Tais condições incluem escuridão e frio generalizados, incêndios florestais, chuva ácida e destruição da camada de ozônio.

Vulcanismo massivo

“Essas novas descobertas de extinções em massa coincidentes e súbitas em terra e nos oceanos, e do ciclo comum de 26 a 27 milhões de anos, dão crédito à ideia de eventos catastróficos globais periódicos como os gatilhos para as extinções”, disse Rampino. “Na verdade, três das aniquilações em massa de espécies na terra e no mar já são conhecidas por terem ocorrido ao mesmo tempo que os três maiores impactos dos últimos 250 milhões de anos. Cada uma delas foi capaz de causar um desastre global e consequentes extinções em massa.”

A possibilidade de erupções de inundação de basalto ou erupções vulcânicas gigantes que cobrem vastas áreas com lava causarem extinções em massa surpreendeu os pesquisadores. Todas as oito extinções em massa coincidentes na terra e nos oceanos corresponderam às épocas de erupções de inundação de basalto. Essas erupções também criariam condições severas de vida, incluindo breves períodos de frio intenso, chuva ácida e destruição do ozônio e aumento da radiação. No longo prazo, as erupções podem levar ao aquecimento letal do efeito estufa e a mais acidez e menos oxigênio nos oceanos.

“As extinções em massa globais foram aparentemente causadas pelos maiores impactos cataclísmicos e vulcanismo massivo, talvez às vezes funcionando em conjunto”, acrescentou Rampino.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA + Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus + Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas + 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança