fbpx

Com Cebola e Abel, Palmeiras faz mais gols e chega à sétima maior média da história da Libertadores

Com Cebola e Abel, Palmeiras faz mais gols e chega à sétima maior média da história da Libertadores

Com Cebola e Abel, Palmeiras faz mais gols e chega à sétima maior média da história da Libertadores

O Palmeiras demitiu no dia 14 de outubro o treinador Vanderlei Luxemburgo e desde então o aproveitamento da equipe deslanchou, principalmente no setor ofensivo. Sendo assim, o Verdão chegou aos 24 tentos na Libertadores e contabilizou com isso a sétima maior média da história da competição, de acordo com um levantamento feito por Rodolfo Rodrigues.

Abel Ferreira e Andrey Lopes conversam na Academia de Futebol (Foto: Cesar Greco/Palmeiras) Abel Ferreira e Andrey Lopes conversam na Academia de Futebol (Foto: Cesar Greco/Palmeiras) Foto: Lance!

saiba mais

O ex-técnico do Verdão comandou o time durante a maior parte da temporada. Com Luxa, o Alviverde conseguiu ter uma boa campanha no maior torneio de clubes da América do Sul, com uma média de 2,4 gols por jogo, mas nos restantes campeonatos isso não se repetiu – no Brasileirão, por exemplo, o time balançou as redes, em média, 1,2 vez por partida, aproximadamente.

Desde a saída do treinador, o Verdão deslanchou, vencendo a maioria de suas partidas e aumentando consideravelmente a quantidade de gols marcados nas partidas. Sendo assim, o time paulista anotou na competição continental 13 tentos em três partidas e no Campeonato Brasileiro, 12 gols em seis confrontos.

Com isso, o Alviverde balançou as redes 24 vezes na Libertadores, passando o River Plate, se tornando o melhor ataque do campeonato. Além disso, a média do maior campeão nacional (3,13 gols por partida) é a sétima maior na história da competição.

Após golear o Delfín, do Equador, por 5 a 0, o Palmeiras enfrentará o Libertad, do Paraguai, nas quartas de final da maior competição do continente Sul-Americano.

Veja também:

Lembre os jogos que o São Paulo está sem perder no Brasileirão

Lance!

  • separator
  • 0
  • comentários