fbpx

Viajar ou juntar dinheiro

Viajar ou juntar dinheiro

Viajar ou juntar dinheiro

Atualizado em 23 de dezembro de 2017

Viajar ou juntar dinheiro? Já faz algum tempo que essa pergunta anda rondando meus pensamentos. Desde que eu escrevi o texto “É preciso amar as pessoas como se elas fossem viagens“, muita gente se manifestou, mas uma história me fez pensar nisso – vale a pena viver em função do dinheiro?

Espero que a Letícia não se importe, mas acho que a história dela merece ser compartilhada. E, semanas depois “de ter conhecido” a Letícia, conheci a Sharon, uma americana de 28 anos.

Pessoas diferentes, histórias diferentes, mas no fundo a mesmíssima reflexão. Até que ponto vale a pena viver no piloto automático e deixar para amanhã o que podemos fazer hoje? Faz algum tempo que eu tenho uma certeza na vida – a única coisa que realmente importa é saúde, pois sem ela não adianta ser milionário. De uma forma ou de outra, sua vida estará comprometida.

Acompanhei de perto várias doenças da minha família. Vi avós, tias e meu pai morrerem cedo e lutarem durante anos contra doenças que infelizmente ainda não têm cura. E cheguei à conclusão que nunca serei rica, mas vou aproveitar enquanto tenho saúde para viajar o máximo possível.

E aí entra a história da Sharon. Ela poderia ser eu ou você. Conheci ela em Maui e fiquei extremamente curiosa para saber porque ela era careca. Seria câncer ou ela era adepta do Hare Krishna? Não cheguei a perguntar, mas também não demorou muito para ela me contar a sua história.

Fizemos a caminhada do vulcão Haleakala no Hawaii juntas e ela me contou que tem 28 anos e está lutando contra um câncer de mama há quase 2 anos. Ela fez dupla mastectomia (cirurgia de remoção completa da mama) e ficou careca. Como ela mesmo disse, ela não sabe se o câncer vai voltar. Ela não sabe se amanhã estará viva, então resolveu colocar uma mochila nas costas e conhecer o mundo (bom, no caso ela está conhecendo os Estados Unidos porque ainda está em tratamento).

E tem também a Letícia, que assim como eu (e acredito que você) ama viajar. Bom, para resumir: a Letícia sofreu um grave acidente a caminho do aeroporto. “Infelizmente, em novembro de 2011, terminando de fazer a minha 7a viagem internacional daquele ano, fui vítima de um grave acidente enquanto ia para o aeroporto retornar ao Brasil. Desde então, estou em processo de recuperação (principalmente do movimento da perna direita, que se esfacelou no acidente…) Portanto, sofrendo há 1 ano e 4 meses de uma grave síndrome de abstinencia…..rsrs… Mas tá acabando e a comemoração vai ser viajando… óbvio!!!!”

A história dela me tocou, porque novamente, podia ser eu ou você. Troquei umas mensagens com ela e decidi escrever esse texto, porque achei que poderia ser de alguma forma motivador para quem está sempre procurando uma desculpa para deixar para amanhã o que pode fazer hoje. E isso serve para tudo nas nossas vidas e não só para as viagens. Infelizmente, só temos o dia de hoje para ser feliz e não vale a pena ter tanta esperança que o dia de amanhã será melhor, pois talvez ele nunca chegue.

Mais algumas palavras da Letícia:

“Aliás, se antes já vivia para viajar, após o acidente, essa vontade foi potencializada. Vi a morte muito de perto e quão efêmera é a nossa vida. De nada adianta viver por viver se não fazemos aquilo que amamos. A vida passa despercebida e nós também…

Tal qual você, decidi tirar 1 ano sabático, dar minha volta ao mundo e fazer um blog contando minhas experiências…. quem sabe algo voltado para pessoas com necessidades especiais….

Estou no aguardo de melhores condições físicas para poder voltar à ativa. Não vai ser como antes, mas vai ser do jeito que dá… ah, isso vai!!!”

Então, para finalizar: decidi viajar. Acho que nunca serei rica, nunca terei um carro importado, nunca terei a bolsa da moda ou um closet cheio de sapatos, mas terei as minhas lembranças, porque isso ninguém conseguirá me tirar (talvez um alzheimer).  Novamente, saúde é tudo que importa nessa vida). Para o resto, sempre dá-se um jeito.