fbpx

Carros na rede | Revista Carro

Carros na rede

Carros na rede

Clique e compre, mas tome cuidado para não cair numa roubada

Comprar pela internet é uma prática cada vez mais difundida no mundo todo. Ainda que seja uma operação mais complicada, o comércio eletrônico de carros também está apresentando crescimento constante, transformando o hábito do consumidor e, principalmente, das montadoras, concessionárias e revendedores em geral.

Uma recente pesquisa da consultoria Capgemini com 8 mil consumidores em ointo países, inclusive Brasil, revelou que 94% dos entrevistados utilizam a web para comprar carros — ainda que apenas consultem e pesquisem para tomar uma decisão — e 42 % fecham o negócio pelo computador, sem nem mesmo sair de casa.

Ou seja, o fenômeno é internacional e o mercado brasileiro não está fora dele. Mas comprar um carro sem examiná-lo ou conhecê-lo apenas por fotos não é tão simples assim. E tampouco recomendável. – Publicidade –

Quando é um 0 km, os riscos diminuem. Hoje, todas as montadoras dispõe de recursos tecnológicos que permitem o consumidor escolher as características do automóvel que deseja, fazer o pedido e pegar na concessionária sem dificuldades — e esse tipo de compra está em franca evolução.

Mas, em se tratando de carros usados, já não é possível ter tanta confiança e segurança. Ainda que existam muitos sites confiáveis, que oferecem até mesmo garantias na compra de um segunda mão, realizar todo o processo sem ver o produto não é aconselhável (veja abaixo).

Com certeza, existem vantagens. No caso dos novos, o comprador monta o seu automóvel de acordo com o que deseja: acessórios, cor da pintura, modelo. Dificilmente ele encontraria numa concessionária exatamente o carro que procura. E nem sempre há disposição ou paciência para ficar entrar e sair das autorizadas à procura do modelo ideal. Além disso, o valor do automóvel cai, dependendo do modelo e da marca, em média 5%. Isso porque a concessionária não precisa ter o carro em estoque: ela recebe pronto o produto encomendado diretamente da montadora.

No caso dos usados, o desconto é ainda maior, podendo chegar a 20% — justamente porque elimina intermediários e a revendedora não precisa ter instalações físicas e dispendiosas para promover o negócio. A maioria dos sites permite que você faça reservas antes de conhecê-lo pessoalmente, embora por tempo limitado. Também oferecem recursos de busca que possibilitam combinar diversos parâmetros para o consumidor achar o modelo ideal — não só de valor, como também de acessórios, ano do modelo, cor e até detalhes que dificilmente poderiam ser escolhidos numa loja.

A verdade é que a tendência mundial é deslocar o comércio de carros, usados ou novos, para o universo da internet, o que agiliza as vendas, otimiza a distribuição do produto e evita a ocorrência de veículos encalhados por falta de demanda específica. “Nunca acreditei que pudesse comprar um carro pela internet. Quis comprar um VW Gol novo e me surpreendi com a facilidade para escolher o modelo, pagar e receber o carro na concessionária”, diz Gerson Britto Cunha, programador e novo adepto da legião do e-commerce em matéria de carro. – Publicidade –

10 conselhos para comprar usados na web

1- Não deixe de ver o carro

Por mais tentadora que seja a oferta, é imprescindível que você disponha de tempo para examinar o veículo. Desconfie se houver objeção a isso.

2- Identifique o fornecedor

Sites de carros usados apenas agenciam. Normalmente, é preciso finalizar o negócio com o dono ou uma revendedora. Nos dois casos, certifique-se da existência legal do vendedor, solicitando CNPJ ou CPF e outras documentações pertinentes.

3- Consulte outros consumidores

Se for revendedora, consulte o site e a rede social para se certificar das boas práticas do estabelecimento. Converse também com outros consumidores.

4- Pagamento

Evite pagar sinais pela internet. No entanto, caso a revendedora realmente tiver visibilidade no mercado, e você não queira perder o negócio, utilize cartão de crédito — claro, dentro de seus limites. É uma garantia: caso haja algum problema, você sempre poderá cancelar a compra.

5- Características do carro

Analise cuidadosamente as características do automóvel anunciado. Não compre por impulso — motivado pelo bom preço ou modelo ideal. A omissão de detalhes pode ser uma grande decepção na hora de efetuar o negócio. Na melhor das hipóteses, você desiste da compra e perde o tempo dedicado a ela.

6- Preço baixo? Desconfie

Não existem ofertas de baixíssimo valor. Desconfie. Carros possuem tabelas de preço, um mercado vigoroso e muitos negócios. Preço bom é aquele que está no máximo 10% inferior ao praticado no mercado.

7- Impostos e taxas

Antes de se deslocar para ver o carro, certifique-se de que não há multas ou débitos, como IPVA e DPVAT. Muitas vezes, essa informação só é fornecida no ato do pagamento. Ou até depois.

8- Procedência

Carros oferecidos na internet podem ter as mais variadas procedências. Mesmo que o veículo esteja na sua cidade, é importante saber de onde veio e que custo você terá para transferir a documentação.

9- Não entre em leilão

É possível que, ao reservar um carro em algum site, você receba a mensagem de que já houve uma reserva anterior. Pode ser um truque para obter uma proposta mais alta. Não caia nessa.

10- Entrega

O carro tem de estar presente quando você fechar o negócio. Desconfie se, ao visitar a revendedora ou o vendedor, ouvir o argumento de que o carro “ainda não chegou” ou “está vindo”. Muitos dos anúncios apresentam modelos de outros locais, que que os exime de responsabilidades legais.

 

Fácil até para crianças

Comprar pela internet é tão fácil e eficiente que até uma criança pode efetuar o negócio. Às vezes, sem os pais saberem. Foi o que aconteceu em Portland (EUA) — um caso célebre no mercado americano. Sorella Stoute, de apenas 14 meses, que mal sabia falar, gostava de brincar com o iPhone do pai. E de tanto mexer no aparelho, acabou conseguindo fazer um lance no eBay para arrematar um Austin Healey Sprite de 1962. O pai só soube da compra quando recebeu um email confirmando o negócio — e nem sequer pôde esclarecer como a criança conseguiu a proeza, já que ela mal falava. No fim, acabou ficando com o veículo: considerou um ótimo negócio, já que o valor foi de 225 dólares, pouco mais do que 500 reais.

Internet em alta

Se o consumidor brasileiro ainda não está completamente convencido a comprar seu carro pela web, ao menos pode confiar mais na rede para obter informações. Segundo o estudo da consultoria americana J. D. Power, 43% das pessoas entrevistadas no ato da compra tomaram sua decisão baseada na descrição do produto na internet. Ou seja, boa parte dos consumidores já se preocupa em se informar e não se deixar levar pelo lado emocional.