fbpx

Ricardo Barros apresenta a Bolsonaro os novos vice-líderes do governo; veja quem são – O Antagonista

Ricardo Barros apresenta a Bolsonaro os novos vice líderes do governo; veja quem são   O Antagonista

Ricardo Barros apresenta a Bolsonaro os novos vice líderes do governo; veja quem são O Antagonista

Barros apresenta a Bolsonaro os novos vice-líderes do governo; veja quem são×

Ricardo Barros levou os novos vice-líderes do governo Bolsonaro na Câmara para tomar café com Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada.

O deputado do PP, líder do governo na Câmara, foi alvo neste mês de operação policial: ele é acusado de receber propina de R$ 5 milhões da Galvão Engenharia.

Foram chutados por ele da função de vice-líder os bolsonaristas Carlos Jordy, Coronel Armando, Guilherme Derrite, Aline Sleutjes, Caroline de Toni e Carla Zambelli, além dos deputados Diego Garcia, Eros Biondini e Maurício Dziedricki.

Leia também:

Em destaque:Ricardo BarrosCentrãoJair Bolsonaro

Como O Antagonista antecipou ontem, a nova bancada de vice-líderes foi definida da seguinte maneira: cada partido do Centrão, a base de apoio ao governo, indicou nomes e Barros bateu o martelo.

A lista dos novos vice-líderes do governo Bolsonaro:

PSL: Luiz Lima (RJ)PL: Giovani Cherini (RS)MDB: Lucio Mosquini (RO)Republicanos: Capitão Alberto Neto (AM)DEM: Paulo Azi (BA)PSD: Joaquim Passarinho (PA)Solidariedade: Gustinho Ribeiro (SE)Pros: Carla Dickson (RN)Avante: Greyce Elias (MG)Patriota: Marreca Filho (MA)

Três vice-líderes foram reconduzidos: Alusio Mendes (PSC-MA), Evair Vieira de Melo (PP-ES) e José Medeiros (Podemos-MT).

O PP não indicou nome porque já tem o próprio Ricardo Barros como líder, e Arthur Lira, o líder da bancada, réu por corrupção, está trabalhando para suceder Rodrigo Maia com o apoio do Planalto e já atuando como líder informal do governo.

Leia mais: O inquérito que investiga a estrutura por trás dos atos antidemocráticos se aproxima do gabinete presidencial, da família Bolsonaro e do núcleo de assessores palacianos conhecido como “gabinete do ódio”Mais notícias