fbpx

Prefeitura de São Paulo suspende concessão do Vale do Anhangabaú – Prisma – R7 R7 Planalto

Prefeitura de São Paulo suspende concessão do Vale do Anhangabaú   Prisma   R7 R7 Planalto

Prefeitura de São Paulo suspende concessão do Vale do Anhangabaú Prisma R7 R7 Planalto

Obras no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo

Obras no Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo

ANDERSON LIRA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

A Prefeitura de São Paulo decidiu suspender o processo de licitação do Vale do Anhangabaú após ressalvas do TCM (Tribunal de Contas do Município).

O órgão afirmou, por meio de nota, que o relator da matéria, conselheiro Roberto Braguim, não se manifestará, uma vez que “o processo em trâmite no tribunal ainda está em fase inicial de instrução”. O TCM ressaltou, também, que a iniciativa de suspensão foi da própria secretaria de governo municipal.

Veja: Fotos resgatam a história do Vale do Anhangabaú, no centro de SP

A administração municipal, por sua vez, suspendeu o processo e justificou, no Diário Oficial do Município, por “corte de contas e realização de possíveis aperfeiçoamentos necessários para sua continuidade”.

O processo de licitação do Vale do Anhangabaú, no centro da capital paulista, para a iniciativa privada tem validade de 10 anos. A gestão estima que a concessão resultará em benefício econômico de R$ 250 milhões por ano, além de o aumento de 10 mil pessoas circulando na região semanalmente.

Entenda: Arquitetos responsáveis por Novo Anhangabaú rebatem críticas

A concessão tem como objetivo tornar o Vale do Anhangabaú um local de permanência e não somente de passagem das pessoas, com eventos, serviços, espaços para locação para comércio e alimentação e outras atividades. O vencedor do processo deverá, portanto, oferecer de forma gratuita atividades de interesse da população – socioculturais, educacionais, esportivas ou de lazer.