fbpx

Los Roques

Los Roques

Los Roques

Atualizado em 23 de dezembro de 2017

Fui para Los Roques em setembro de 2010 e foi uma das viagens com melhor custo-benefício que fiz até hoje. Los Roques é um arquipélago paradisíaco localizado a apenas meia hora de Caracas, na Venezuela. Muita gente reclama da falta de infraestrutura de Los Roques e definitivamente não é a mesma encontrada em Punta Cana, mas nem por isso deixa de ser um destino super interessante.

Dicas Los Roques

1) Como chegar

A viagem em si não é das mais fáceis. Tem que voar até Caracas e de lá pegar literalmente um “teco-teco” até Gran Roque – a vila do arquipélago que possui opções de hospedagem. Passar por Caracas é inevitável, porém Caracas é um lugar que não recomendo para ninguém. Então, minha primeira dica é essa: se possível vá de Tam e volte de Gol. Por que? Porque o voo da Tam chega de madrugada e você pode pegar o aviãozinho para Los Roques logo de manhã. Já o voo da Gol volta de noite e você pode pegar o avião de Los Roques para Caracas no fim da tarde. Com isso, você não precisa dormir nenhuma noite em Caracas. 

Existem umas três companhias que voam para Los Roques. A melhorzinha é a Aerotuy, que possui aviões um pouco maiores.

Los Roques

Avião da Aerotuy

Bilhete de embarque da Aerotuy

Los Roques

A vista do avião

Para reservar o voo Caracas-Los Roques você pode tentar a internet ou contratar os serviços de uma agência de viagens local. O Fábio Blinder, da VeneBrasil, é o intermediador mais conhecido e recomendado pelos brasileiros.

2) O lugar em si Se o que você busca é um lugar cheio de resorts, com muita infraestrutura, várias opções de restaurantes e lugar para fazer compras, esse lugar não é Los Roques. O lugar é muito simples. Se você busca paz, paisagens absurdamente lindas e um bom custo x benefício, bem-vindo a Los Roques. 

Los Roques

As praias são assim

3) Quem vai para lá Diz a lenda que Los Roques era frequentada por muitos italianos. Passei 5 dias lá e se mudassem o idioma para português, ninguém nem iria reclamar. O lugar está cheio de brasileiros.  4) Onde trocar o dinheiro A situação política na Venezuela não é das melhores. Eles possuem um câmbio oficial de conversão de dólar para bolivar (moeda local). Mas isso não funciona porque os venezuelanos não podem comprar dólares. Isso significa que existe um câmbio negro para compra de dólares.

Assim que você desembarcar, muitos caras irão te abordar oferecendo “câmbio”. Muito cuidado! A maioria é trambiqueiro querendo trocar suas notas de dólares verdadeiros por dinheiro falso. O negócio é procurar alguém com crachá do aeroporto (isso mesmo, funcionários), fazer aquela cara de perdido e esperar eles te oferecerem o câmbio. Todo mundo troca dólar lá (conheci brasileiros que trocaram com o cara do raio-x das malas), mas não dá para fazer de forma escancarada, porque tem muito policial lá no aeroporto. Troquei com o Miguel, que tem uma “agência de turismo” dentro do aeroporto. Ele não tem o melhor dos câmbios, mas é honesto.

Se estiver inseguro, troque o mínimo possível no aeroporto e deixe para trocar o resto lá em Los Roques. Outra coisa: não esqueça de perguntar para algum nativo quantos bolívares você terá que deixar reservado para pagar as taxas de aeroporto. São elas: taxa nacional do voo Caracas – Los Roques, taxa para entrar no arquipélago Los Roques e taxa internacional do voo Venezuela – Brasil.

5) Cheguei em Los Roques. Faço o que? Se não tiver ninguém da tua pousada te esperando no “aeroporto” e você estiver com muita bagagem, pague um “carregador de malas” (custa 40 bolivares = mais ou menos 5 dólares). Se você não pegou uma pousada que ofereça o sistema de pensão completa, recomendo que, no primeiro dia, você vá para a ilha Francisquí. Por que? Porque essa ilha possui restaurante. Poucas ilhas lá possuem restaurante,  para ser mais exata, apenas duas. O esquema em Los Roques é assim: você tem que levar tudo para a praia – bebidas e comida.

Los Roques

O destino de praia mais lindo que já vi

6) Vale a pena pegar uma pousada com pensão completa? Não peguei e não me arrependi. Mas se você não quer ter o stress de ter que ir todo dia comprar as coisas para levar para a praia, pegue uma pousada que inclua todas as refeições. Se assim como eu você escolher uma só com café-da-manhã e jantar, certifique-se que eles te emprestarão uma “cava”, aquela caixa térmica para você levar as bebidas para a praia. 7) O que você não pode deixar de fazer A primeira e mais importante de todas – dormir em um quarto que tenha ar-condicionado, porque o calor não dá trégua. Também não deixe de levar um protetor solar (fator mínimo 30), um boné, uma loção de aloe-vera pós-sol. Se tiver mais espaço na mala, leve um daqueles colchões para boiar no mar. O mar além de cristalino, parece uma piscina.

Na hora de contratar os passeios (todos são feitos de barco), você vai perceber que é uma verdadeira máfia. Os preços são tabelados e o barqueiro pode ter a cara de pau de te dizer que a tabela de preços que estava pendurada no seu quarto de hotel está desatualizada. Insista e peça desconto. Nós conseguimos desconto todos os dias. Ah! Sempre inclua o guarda-sol e as cadeiras. É impossível aguentar aquele sol sem sombra. Quanto aos passeios: fui para as ilhas Francisquí, Madrisquí, Nordisquí, Crasquí e Cayo d’Agua. Adorei todas. Em uma delas é possível ver várias estrelas do mar. 

Apreciando a beleza do Caribe

Já passei por muitos lugares paradisíacos como Tailândia e Fiji, mas Los Roques foi o lugar de praia mais bonito que vi até hoje.