fbpx

Stations: fenômeno europeu | Revista Carro

Stations: fenômeno europeu

Stations: fenômeno europeu

Para um brasileiro que visita o Salão de Genebra, um dos aspectos que mais salta aos olhos é a quantidade de station wagons presentes na mostra. E tem modelos para todos os gostos – e bolsos. Desde os mais populares, como o Dacia Logan MCV ou o compacto Renault Clio Break, até os mais sofisticados, como o VW Golf Variant (que poderá, inclusive, aparecer no país com o nome Jetta) e futuristas, como o Honda Civic Tourer, exibido ainda como conceito. Sem falar nos exclusivos, como Mercedes-Benz Classe E Estate.

Mas, goste-se ou não das peruas, o fato é que essa grande presença no Salão de Genebra não significa que o versátil modelo está “voltando à moda”, mas apenas de uma fenômeno europeu. Ao contrário dos consumidores americanos e brasileiros, por exemplo, os europeus ainda apreciam bastante esse estilo de carroceria e não o trocaram pelos SUVs e crossovers, como ocorre em nosso país.

É o reflexo de um mercado maduro, no qual continua a existir espaço para diversas configurações e estilos de automóveis, e não há nenhuma “ditadura” estilística, na qual prevalece um determinado tipo de veículo sob a alegação de que “é mais fácil de revender”, por exemplo.

Seria bom se, no Brasil, voltássemos a ter hatches, sedãs, cupês, peruas, modelos com 2 ou 4 portas, crossoveres… Afinal, como diz o ditado, gosto não se discute!