fbpx

Ex-empregados da Apple revelam como a empresa mantém seus segredos | Tecnoblog

Ex empregados da Apple revelam como a empresa mantém seus segredos

Ex empregados da Apple revelam como a empresa mantém seus segredos

Manter segredos dentro de uma empresa de tecnologia é um desafio. Com a invenção do twitter, blogs e diversos outros meios de comunicação quase instantâneos, conseguir que um produto seja mantido fechado entre quatro paredes é algo incrívelmente difícil. Mas pelo que indica uma reportagem publicada ontem (23) no The New York Times, a Apple é extremamente eficiente nessa área.

Dois ex-empregados, Mark Hamblin, que trabalhou na tecnologia da tela sensível ao toque do iPhone e deixou a Apple ano passado, e Edward Eigerman, que foi demitido em 2005 por envolvimento com um vazamento de um programa para outra empresa, explicam algumas das táticas empregadas para manter projetos secretos longe dos olhos da mídia.

Quem trabalha em tais projetos é realocado para áreas ultra-seguras e precisa passar pelas mais diversas checagens de segurança envolvedo várias leituras do crachá eletrônico e inserção de códigos númericos apenas para chegar ao local de trabalho. Outro esquema é realizado dentro de salas de testes de equipamentos, em que o empregado que estiver testando o dispositivo deve cobrir o produto em questão com um pano preto durante todo o período em que estiver testando-o, além de ser necessário ligar uma luz vermelha do lado de fora da sala para quando o pano for removido e os funcionários tomem cuidados extras.

Já para tentar descobrir quem vaza informações, a Apple aplica táticas diferentes. O próprio Phil Schiller, vice-presidente de Marketing da empresa, já deu reuniões para empregados em que ele divulgou informações falsas sobre alguns lançamentos, como preço errado ou funções inexistentes nos produtos. E a partir do que é publicado nos blogs, jornais e sites de notícias, certas pessoas de certos departamentos são mandadas pra rua sem a menor cerimônia.

Se você entende inglês, vale a pena ler o artigo inteiro para perceber o quão paranóica por segredos uma empresa de tecnologia pode ser. [New York Times]