fbpx

Rússia inicia votação de referendo que pode manter Putin no poder – Notícias – R7 Internacional

Rússia inicia votação de referendo que pode manter Putin no poder   Notícias   R7 Internacional

Rússia inicia votação de referendo que pode manter Putin no poder Notícias R7 Internacional

Com retrato de Putin na seção eleitoral , russo vota em referendo sobre emendas

Com retrato de Putin na seção eleitoral , russo vota em referendo sobre emendas

Maxim Shipenkov / EFE – EPA – 25.6.2020

A Rússia iniciou, nesta quinta-feira (25), a votação antecipada das emendas constitucionais promovidas pelo Kremlin, que abrem as portas para a permanência do presidente Vladimir Putin no poder após o ano de 2024.

Leia também: Putin sobe imposto sobre ricos antes de votação de reforma

A votação acontecerá durante sete dias, até 1º de julho, principal dia do plebiscito constitucional, declarado feriado nacional no país. Além da votação antecipada, desta vez em Moscou e na região de Nizhny Novgorod será possível votar eletronicamente.

De acordo com os dados oficiais, mais de um milhão de moscovitas pediram às autoridades que votassem online.

Votação na pandemia

A votação de emendas constitucionais em meio à pandemia do novo coronavírus tem sido fortemente criticada pela oposição, que, entre outras formas de protesto, recomendou que os eleitores fossem às urnas com a inscrição “Niet” (“Não”) em suas máscaras.

Veja também

A Rússia é o terceiro país do mundo com mais casos de covid-19, atrás apenas de Estados Unidos e Brasil. Porém, as autoridades russas garantem que o referendo será realizado entre rigorosas medidas de segurança para não colocar em risco a saúde dos eleitores.

Putin lançou uma reforma constitucional em janeiro que, graças a uma emenda de última hora, ele conseguiu o direito de buscar a reeleição em 2024, quando termina seu atual mandato.

Na semana passada, o chefe do Kremlin, no poder há 20 anos, disse em uma entrevista ser prematuro discutir seus planos para 2024.

“Isso será visto”, disse Putin, que não descarta concorrer à reeleição se a Constituição estabelecer essa possibilidade.