fbpx

SP deve dar ajuda para voluntários de programa de alfabetização – Notícias – R7 São Paulo

SP deve dar ajuda para voluntários de programa de alfabetização    Notícias   R7 São Paulo

SP deve dar ajuda para voluntários de programa de alfabetização Notícias R7 São Paulo

imagem24-06-2020-23-06-43

Ronny Santos/Folhapress

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na noite desta quarta-feira (24) um projeto de lei que garante pagamento de ajuda de custo para voluntários do MOVA (Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos) durante os três meses da pandemia do novo coronavírus. 

O projeto de número 0308/2020, de autoria do vereador Paulo Reis (PT), foi aprovado em primeiro turno por maioria de votos e deve passar por uma segunda votação, antes de ser enviado para aprovação do prefeito Bruno Covas.

O programa teve seus repasses cancelados pela prefeitura desde o dia 16 de abril, após a suspensão das aulas presenciais. Com a medida, as ONGs (Organizações Não Governamentais), formadas por profissionais que prestavam o serviço de educação nas periferias da capital, perderam parte de sua renda.

A parceria funcionava da seguinte forma: é assinado um convênio entre a ONG e a Secretaria Municipal de Educação para a realização dos trabalhos. O valor é de um salário mínimo, sendo que 88% é para custear o pagamento dos funcionários e 12% para aquisição de materiais e manutenção. Em geral, os educadores não têm vínculo empregatício.

Veja também

“O Mova basicamente está na periferia. Nos lugares onde temos mais este problema de analfabetismo”, defendeu o vereador Alfredinho (PT). Junto com Celso Giannazi (PSOL), ele criticou as ações da secretaria municipal da Educação, principalmente a decisão de suspender o financiamento do programa. 

O vereador Cláudio Fonseca, do Cidadania, manteve-se favorável ao projeto pela ajuda de custo à categoria, mas afirmou que somente os voluntários do programa estavam sem receber o repasse. Segundo ele, professores continuavam a receber.

Na época da suspensão, em abril, a Secretaria Municipal de Educação argumentou que sem aulas presenciais, não seria possível comprovar que atividades estavam sendo cumpridas. 

A prefeitura lembrou ainda que os valores pagos são para o deslocamento e alimentação dos profissionais do MOVA. Em nota, informou que “com o afastamento social imposto por motivos de saúde pública, juridicamente, a Secretaria Municipal de Educação fica impedida de realizar esse repasse para atividades que não estejam acontecendo”.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ingrid Alfaya