fbpx

SP: Câmara aprova projeto para enxugamento da administração  – Notícias – R7 São Paulo

SP: Câmara aprova projeto para enxugamento da administração    Notícias   R7 São Paulo

SP: Câmara aprova projeto para enxugamento da administração  Notícias R7 São Paulo

Fundação responsável por gestão do Theatro Municipal será extinta

Fundação responsável por gestão do Theatro Municipal será extinta

Danilo Verpa/Folhapress

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quarta-feira (24) um projeto de lei que reestrutura a administração indireta municipal, com extinção de oito entidades, fundações e autarquias vinculadas à prefeitura. O projeto segue agora para a sanção do prefeito Bruno Covas, que enviou a proposta à Câmara dos Vereadores ainda em setembro do ano passado.

Leia mais: Câmara vai priorizar projeto para enxugamento da máquina pública

O PL 749/19 já passou em 1ª votação em fevereiro, e foi aprovada em 2ª votação hoje por 31 votos a 11, com duas abstensões.  Com a aprovação, devem ser reduzidos de 22 para 14 o número de entidades como empresas, autarquias, fundações e serviços sociais autônomos. Com as modificações, a prefeitura espera diminuir o custo anual com tais serviços.

Serão extintas, gradualmente, entidades responsáveis pela gestão da Amlurb(x), Serviço funerário municipal (após concessão de seus serviços à iniciativa privada), AdeSampa, Autarquia Hospitalar Municipal, Fundação Paulistana, SPTuris, Museu de Tecnologia de São Paulo e o Theatro Municipal. As estruturas das entidades serão absorvidas pela prefeitura e os funcionários remanejados.

O PL também propõe a criação da Agência Paulistana de Desenvolvimento e Investimentos, a SP Investe, para a promoção do desenvolvimento econômico da cidade. Ela vai assumir responsabilidades da Agência São Paulo de Desenvolvimento e da São Paulo Negócios, que serão extintas.

A criação da SP Regula, vinculada ao gabinete, tem o objetivo de melhorar o poder regulatório e de fiscalização, hoje feito por vários órgãos. Segundo a prefeitura, vai abarcar as concessões de iluminação pública, coleta de lixo e de serviços cemiteriais e funerários, por exemplo. Serão extintos o Serviço Funerário, Amlurb, ILUME e a LIMPURB.

Na discussão do projeto, o vereador Police Neto (PSC) defendeu a necessidade de uma reforma mais abrangente, que inclua outras empresas ligadas à prefeitura como a SPTrans, Prodam e CET.

Outros vereadores criticaram o momento em que a proposta é discutida. “É um momento inoportuno de debater essa reforma administrativa. O governo teve tempo suficiente para apresentar essa reforma e não apresentou”, disse o vereador Fernandinho (PT), que votou contra a proposta. O vereador Gianazi concordou “Nenhum parlamento do Brasil está votando projeto de reformulação administrativa. A gente deveria estar aqui votando ações, medidas, para garantir a vida das pessoas”. 

Fábio Riva (PSDB) se mostrou favorável ao projeto, e pontuou que a extinção das entidades seriam absorvidas pelas secretarias responsáveis, com remanejamento dos funcionários no caso da SPTuris e economia de gastos públicos.   

*Estagiário do R7, sob supervisão de Ingrid Alfaya